Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2014

Rebeca Arimi Suzuki

Rebeca Arimi Suzuki

Cidades de papel

Informações sobre o livro: 
Título: Cidades de Papel
Título Original: Papers Towns
Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Edição: 01
Idioma: Português
Ano: 2013
Categoria: Literatura Estrangeira/Romance

Ficha técnica do livro:
Lido em: Dezembro/2014
Ganhei o livro em: 24/12/14.
Tempo que levei para ler: só dois dias
Comecei a ler em: 25/12/14.
Terminei de ler em: 26/12/14.

Sinopse do livro
Quentin Jacobsen tem uma paixão platônica pela magnífica vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman. Até que em um cinco de maio que poderia ter sido outro dia qualquer, ela invade sua vida pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita.
Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola e então descobre que o paradeiro da sempre enigmática Margo é agora um mistério. No entanto, ele logo encontra pistas e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto m…

Frases de Abraham Lincoln

"Quase todos os homens são capazes de suportar adversidades, mas se quiser por à prova o caráter de um homem, dê-lhe poder."

"Quando pratico o bem, sinto-me bem; quando pratico o mal, sinto-me mal. Eis a minha religião."
"Mostre-me um homem sem vícios e eu mostrarei um homem sem virtudes."
"Pode-se enganar a todos por algum tempo; pode-se enganar alguns por todo o tempo; mas não se pode enganar a todos todo o tempo."

"A melhor parte da vida de uma pessoa está nas suas amizades."
"Ninguém é suficientemente competente para governar outra pessoa sem o seu consentimento."
"O caráter é como uma árvore e a reputação como sua sombra. A sombra é o que nós pensamos dela; a árvore é a coisa real."
"Ando devagar, mas nunca ando para trás."

"O auto-respeito é a raiz da disciplina; a noção de dignidade cresce com a habilidade de dizer não a si mesmo."
"Você não consegue escapar da responsabilidade de ama…

Origem do Panetone.

Assim como a origem de várias outras coisas, o surgimento do panetone é um grande mistério. A única coisa de que se tem certeza, é que o produto surgiu em Milão. Entretanto, há várias lendas acerca da explicação de como tudo começou. Vou citar algumas das possíveis hipóteses:

1. Segundo uma das lendas, no século XV, havia um rapaz apaixonado pela filha de um padeiro. Como o pai da garota não aceitava o namoro de ambos, o jovem resolveu criar algo novo, para impressionar o padeiro. Fez uma massa de pão e nela colocou frutas cristalizadas. O jovem passou a referir-se ao doce como uma criação do senhor Toni (nome do pai da moça) e logo ficou conhecido como "Pane del Toni" (Pão do Toni) e depois modificou-se o nome para o italiano, Panettone.

2. Outra versão da história conta que o panetone foi feito por um "erro de culinária". Diz-se que depois de um certo aprendiz chamado Toni, ter trabalhado horas a fio ainda precisava assar uma fornada de pães e preparar uma torta…

O Pintor do Céu

Há muito tempo, vivia no sul da China um velho pintor de muito talento. O que ele mais gostava de retratar eram rostos de crianças. Toda semana pintava sete carinhas diferentes, uma para cada dia.
Certa noite, quanto o velho pintor trabalhava, caiu uma tempestade horrível. Ele estava tão entretido em fazer o retrato de uma linda menina que nem percebeu que à sua porta surgira uma misteriosa figura. Ela atravessou o cômodo e, quando chegou ao seu lado, disse:
- Eu sou a Morte e preciso levá-lo comigo hoje.
O velho, porém, não ficou assustado. Pelo contrário, continuou a pintar, respondendo apenas:
- Morte, por favor, diga ao Senhor do céu que estou muito ocupado e não posso partir sem terminar meu retrato.
Surpresa com a atitude do pintor, a Morte aproximou-se do quadro. Ficou paralisada. O rosto que ele pintava era tão lindo e vivo que parecia lhe sorrir. Emocionada, a Morte foi-se embora. Quando chegou ao céu, o Senhor do céu lhe perguntou:
- Morte, o que aconteceu? Você voltou sozinha?
- S…

O sábio brincalhão

Na antiga China vivia um velho muito sábio, que todos procuravam para pedir conselhos. O sábio gostava também de fazer brincadeiras. Um dia ele foi se hospedar no palácio de um rei. Rapidamente, uma multidão reuniu-se às portas do palácio. Irritado, o rei mandou seus lacaios irem ver o que estava acontecendo.
 - Disseram que desejam ouvir o sábio, Majestade, porque ele é um homem muito inteligente.
O rei ficou enciumado do prestígio do sábio. Afinal, ele era apenas um velho e não poderia ser mais amado que o próprio rei. Chamou o sábio e lhe disse:
 -Vamos ver quem é o mais inteligente do reino. Quero lhe fazer um desafio. Olhe bem para esta joia que trago no colar. É a gema mais valiosa daqui. Se conseguir tirá-la de mim, eu o aceitarei como o homem mais inteligente do reino." - Já que o senhor está pedindo, prometo tirar-lhe a joia" - disse o sábio. Assim que ele deixou o salão, o rei ordenou:
-Ponham um lacaio na porta do quarto com um tambor bem grande nas mãos. Ao menor ruído…

O macaco e a banana

Um macaco estava comendo uma banana que escapou da sua mão e caiu no oco de uma árvore. Irritado, o macaco desceu da árvore e disse a um pedaço de pau:
-Ô seu pedaço de pau, me ajuda a apanhar minha banana.
O pedaço de pau não lhe deu a menor atenção. Furioso, o macaco foi até o lenhador e lhe disse:
-Ô seu lenhador, venha mandar o pedaço de pau para me ajudar a apanhar minha banana que caiu no oco da árvore
O lenhador não ligou para ele. Exasperado, o macaco procurou o delegado e lhe disse:
-Ô seu delegado, venha mandar o lenhador ir até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a minha banana que caiu no oco da árvore.
O delegado não obedeceu. O macaco foi até o rei pedir que ele mandasse o lenhador até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a banana que tinha caído no oco da árvore. O rei não lhe deu atenção. O macaco foi atrás da rainha. A rainha não lhe deu ouvidos.
O macaco foi até o rato pedir que ele roesse a roupa da rainha. O rato se recusou a…

Os cegos e o elefante

Numa cidade da Índia haviam sete sábios cegos. Como seus conselhos eram sempre excelentes, todas as pessoas que tinham problemas os consultavam. Embora fossem amigos, havia uma cetra rivalidade entre eles, que de vez em quando discutiam sobre qual seria o mais sábio.
Certa noite, depois de muito debaterem acerca da verdade da vida, e não chegarem a um acordo, o sétimo sábio ficou tão aborrecido que resolveu ir morar sozinho numa caverna da montanha. Disse aos companheiros:
- Somos cegos para que possamos ouvir melhor e compreender melhor que as pessoas a verdade da vida. E, em vez de aconselhar os necessitados, vocês ficam aí brigando como se fossem ganhar uma competição! Não aguento mais! Vou-me embora.
No dia seguinte, chegou à cidade um comerciante montado num cavalo imenso. Os cegos jamais haviam tocado nesse animal e correram para a rua ao encontro dele.
O primeiro sábio apalpou a barriga do bicho e declarou:
-Trata-se de um ser gigantesco e muito forte! Posso tocar em seus músc…

O tapete voador

Certa vez, um príncipe encontrou um papagaio que lhe disse:   - Você tem uma missão a cumprir: precisa encontrar a princesa Maya. Deixe tudo de lado e vá procurá-la.   O príncipe obedeceu. Selou seu melhor cavalo e partiu pelo reino em busca da princesa. Ao chegar a uma escura floresta, deparou com três demônios que guardavam três estranhos objetos: uma bolsa, uma varinha e um tapete.  Uma das criaturas cumprimentou o príncipe e lhe disse:   - Nosso mestre morreu e nos deixou essas coisas. Mas agora não sabemos qual de n¢s deve ficar com elas. -  simples - respondeu o príncipe.  - Vou atirar uma flecha para o alto. Aquele que conseguir apanhá-la primeiro ser o vencedor e ficar com os três objetos. Mas, afinal, para que servem?   - A bolsa lhe dar tudo o que pedir - disse o segundo demônio -, a varinha matar seu pior inimigo e o tapete o levar para onde quiser.   O príncipe atirou a flecha e, quando os demônios saíram em disparada para apanhá -la, pegou os objetos e fugiu a toda em s…

Tyll, o mestre das artes

Tyll era um malandro que viajava pela antiga Alemanha inventando golpes para ganhar dinheiro e divertir-se às custas dos nobres. Foi assim que um dia Tyll se apresentou na entrada do castelo de um rei vaidoso e declarou: - Eu sou um mestre nas artes, um pintor multo famoso, e ouvi dizer que Sua Majestade entende multo de pintura. Será que não gostaria de conhecer o meu trabalho?
Quando lhe contaram do estranho artista que batia à sua porta, o soberano ficou curioso e resolveu testá-lo. Tyll foi levado à presença do rei. Multo esperto, estava vestido igualzinho a um pintor e trazia uma maleta cheia de pincéis e tintas. Convencido de que se achava diante de um grande artista, o rei disse:
- Quero que meu castelo seja o mais belo da Europa. Ninguém entende tanto de arte quanto eu. Vou contratá-lo para pintar dois murais.
- Ah, mas meu talento custa caro, Majestade. E, além do mais, minha arte só pode ser apreciada por pessoas cultas e eruditas! - disse Tyll.
- Multo bem - disse o rei. - Do …

O rei que queria alcançar a Lua

Era uma vez um rei muito mimado e teimoso. Todo mundo tinha que fazer exatamente o que ele desejava. Certa noite, ele olhou pela janela e cismou que queria tocar a Lua. Simplesmente não se conformava com o fato de que a Lua fica longe de todos nós, até mesmo dos reis.
Mandou construir uma torre altíssima, que chegasse até o céu. Pensava que chegando ao topo da torre alcançaria a Lua. Mandou chamar vários construtores e todos lhe diziam a mesma coisa:
"Majestade, é impossível construir uma torre dessa altura."
E o rei gritava:
"Impossível é uma palavra proibida neste reino. Eu quero a torre e ponto final!"
Até que um carpinteiro lhe falou:
"Majestade, se empilharmos 1000 móveis, acho que alcançaremos o céu!"
O rei gostou tanto da ideia que obrigou todos os súditos a amontoar seus móveis. E pobre de quem se recusasse: era levado direto para a prisão!
Naturalmente, quando todos os móveis do reino foram empilhados, o rei descobriu que eles não conseguiam atin…

Napi, os homens e os animais

No início do mundo nasceu o Sol, e depois dele surgiu Napi, o criador, o guardião da vida. Um dia Napi descansava perto de uma fonte. Olhou para a terra úmida e teve uma idéia: pensou que seria divertido moldar pequenas criaturas de argila. Primeiro modelou um animalzinho. Gostou dele e continuou a criar, e fez aparecer todos os animais que até hoje vivem na face da terra. Quando terminou, deu a cada animal um lugar para habitar. Por último moldou o homem e lhe disse:
- Você deve viver na floresta, é o melhor lugar para você.
Depois, fechou os olhos e tentou descansar. Mas não conseguiu.
Poucas horas mais tarde os animais voltaram para reclamar.
Ninguém estava feliz. O touro parecia furioso:
- Não posso viver na montanha, Napi. Preciso de pasto!
O antílope também estava aborrecido:
- Napi, não posso viver no pântano, meu sonho ‚ correr pelos campos!
Até mesmo o sensato camelo tinha uma queixa:
- Napi, detestei o deserto! Será que você não pode me mudar de lugar?
O homem, então, não parava de re…

O Ladrão de Sonhos

Certa noite, um jovem chamado Makibito teve um sonho tão belo que, ao acordar, foi consultar uma sábia anciã. Contou-lhe o sonho, que o mostrava num palácio vivendo com uma linda princesa. A mulher lhe disse apenas que seu sonho não passava de mera ilusão.  Porém, antes que terminassem de conversar chegou outro rapaz que desejava falar com a sábia, e ela pediu a Makibito que aguardasse na sala ao lado. O jovem, que era muito rico, também lhe contou seu sonho.
E a sábia lhe disse:
- Esse é um sonho de sorte. Mas para que se realize ‚ preciso guardar segredo. Jamais conte seu sonho a ninguém.
Quando Makibito voltou à presença da anciã, disse-lhe:
- Como eu gostaria de estar no lugar daquele jovem! Mas por que a senhora lhe pediu que guardasse segredo daquele sonho tão lindo?
- Porque o sonho pode ser roubado, e ele perderia sua sorte.
- Quer dizer – disse Makibito – que, se eu entrasse aqui novamente e repetisse as palavras dele, também teria sorte?
- Creio que sim.
- Não acredito – disse Makib…

[Frases] A Linhagem - Camila Dornas (Parte II)

Esta é a continuação da minha seleção de frases e trechos do livro "A Linhagem", de Camila Dornas.
"Eu realmente não sabia. Desde que ficara sabendo do ataque, tudo relacionado a isso parecia, em algum ponto, atingir a mim. Estava começando a sentir que precisava descobrir quem havia feito aquilo." (Evangeline, durante a narração) - página 129, capítulo XII.

"Por mais que o resto me decepcionasse, e que meu rosto doesse com quase a mesma intensidade que meu pulso, eu sempre teria meu talento, uma parte de mim, algo que me fazia quem eu era. E isso era algo que nem mesmo Julian Bennett poderia tirar de mim." (Evangeline, durante a narração) - página 131, capítulo XII.

"Quase pulei com o som profundo de sua voz. Um calor líquido preencheu meu corpo e qualquer vestígio do frio não existia mais. Tudo o que eu via e sentia era Henry. Seu tom era caloroso e eu podia imaginar um sorriso em seus lábios, mesmo não podendo ver seu rosto. Meu coração vacilou.
A…

[Frases] A Linhagem - Camila Dornas (Parte I)

Gostei muito do livro "A Linhagem", da autora Camila Dornas, e por isso vou escrever algumas frases do livro aqui:

"Não faça nada do que possa se arrepender depois, Lina. (Morgana para Evangeline) - página 14, capítulo I.
"Ter um dom não significa que eu seja uma aberração, meu pai, e sim, faz de mim especial." (Evangeline para Julian) - página 25, capítulo II.
"...Você é livre para escolher" (Evangeline para Henry) - página 35, capítulo II.
"Morgana era tudo que eu tinha naquela casa, tudo que eu amava" (Evangeline, durante a narração) - página 49, capítulo IV.
"Querida, o amor pode vir com o tempo, com a convivência." (Morgana para Evangeline) - página 51, capítulo IV.
"Honestamente, não importava muito para onde iríamos, desde que ele continuasse segurando a minha mão." (Evangeline, durante a narração) - página 66, capítulo V.
"Quer dizer que posso  sentir vibrações sobre seu estado de espírito apenas tocando-a&…

[Nova resenha] A Linhagem - Camila Dornas

Lido em: Dezembro de 2014
Tempo que levei para ler: Dois dias e meio
Comecei a ler em: 04/12/14, à noite
Terminei de ler em: 06/12/14, pela tarde

Ficha técnica
Título: A Linhagem
Autora: Camila Dornas
Número de páginas: 334
Editora: Novo Século
Número da edição: 01
Ano de publicação: 2013
Temas: Romance, fantasia, mistério, intrigas, etc
Categoria: Literatura Nacional


Sinopse do Livro: 
"Londres do século XVIII, a capital da Inglaterra era um dos mais importantes centros do mundo. Vestidos pomposos, elegância e boas maneiras. Um tempo onde as posses e a reputação regiam a sociedade. A Igreja tinha poder e condenava aqueles os quais pesava a suspeita de bruxaria - a arte oculta a temida e repudiada pelo senso comum. Nesse conto intimidador, surge uma mulher especial, com dons inimagináveis. E um destino grandioso..."

Minha Resenha
Introdução
Hoje eu vou falar de um livro que realmente gostei muito de ler. Na verdade, terminei de lê-lo ontem, mas eu já desejava tê-lo em minha estante há um te…

Pontos turísticos da Coréia do Sul

Gosto muito de viajar e viver novas aventuras, tal como conhecer novas culturas e pessoas. Nos últimos tempos, a Coréia do Sul tem se destacado bastante e esse é um dos países que eu estou com uma imensa vontade de conhecer de perto. Pesquisando um pouco, descobri que na Coréia existem diversos pontos turísticos interessantes. Por isso vou citar alguns aqui nesta postagem Gyeonbok Palace de Seul:Localizado ao norte de Seul, é um dos Cinco Grandes Palácios da Coréia. Foi construído no século XIV, em 1395, durante a dinastia Joseon. Seu nome significa "grandemente abençoado pelos céus" e considerada a "Casa dos Reis", sendo muito importante para a história da Coréia. No século XX, o palácio foi destruído pelo Império Japonês. Após o ocorrido, a ideia é reconstruí-lo de forma a tornar-se igual ao original. Museu Nacional da Coréia: Localizado em Seul, fica no território de "Yongsan Family Park".
Conta com um acervo enorme a respeito da História da Coréia e ob…

Inglês no Restaurante

Quando vamos ao restaurante, temos que saber se comunicar, e para isso há algumas expressões úteis em inglês para usar em restaurantes.

Algumas palavras bem necessárias:
Garçom – Waiter
Garçonete – Waitress
Cardápio – Menu
Reservas - Reservations 
Prato principal - Main course/dish Pratos do dia – Specials
Acompanhamento - Side dish
Bebidas - Beverages
Sobremesa - Dessert

Quando você chega ao restaurante, pode informar ao garçom: "I have a reservation" (tenho uma reserva)  E ainda pode dizer: "Table for (one/two), please (mesa para um/dois, por favor) 
O garçom por sua vez, perguntará: Are you ready to order? (Está pronto para fazer o pedido?)
Se você ainda estiver na dúvida, pode responder:  "No, give me a few minutes more, please" (Não, dê-me mais alguns minutos, por favor).  Você ainda pode dizer:  "Can I see the menu again?" (Posso ver o cardápio de novo?)
Finalmente, na hora de pedir, você diz: "I'll have a/the... - "Vou pedir uma/o....(nome do …