Castor e Pólux

Castor e Pólux, os dois filhos preferidos de Zeus
No dia do casamento de Tíndaro - Rei de Esparta, Leda, sua noiva, foi banhar-se num lago construído especialmente para ela. Zeus viu Leda, exuberante e totalmente nua num lago cheio de cisnes.
Apaixonado, Zeus se transforma num cisne branco, e a atrai, fecundando-a na mesma noite, mas ela é fecundada também por Tíndaro. 
Dessa dupla união nascem dois ovos. 
Num deles estavam Castor e Helena, mortais, filhos de Tíndaro. 
No outro ovo estavam Pólux e Clitemnestra, imortais, filhos de Zeus.
Acontece que Castor era mortal e Pólux, imortal, entretanto, viviam unidos em profunda amizade e os deuses os chamaram de dióscuros, filhos dos deuses. 
Hermes foi designado para dar-lhes o ensinamento sobre as artes e as lutas, plantando-lhes a semente da inteligência, da astúcia e da curiosidade.

Desde pequenos eram queridos pelas pessoas, pela sua simpatia e alegria. 
Zeus os considerava seus filhos mais amados, por serem os únicos que o tratavam como um pai, sempre o respeitando e demonstrando carinho.
Foram designados a Quíron, no Olimpo, que os ensinou e orientou por muito tempo.

Castor e Pólux conviviam com outros heróis e nas inúmeras batalhas da expedição, distinguiam-se pela coragem e astúcia.
Castor, dominava os animais e as armas; 
Pólux, era invencível e astuto. 
Ambos eram extremamente leais entre si e com os outros argonautas.

Durante as viagens eles se encarregavam de defender a nau e seus companheiros, mas à noite, quando todos estavam cansados e desanimados, Castor e Pólux faziam pantomimas e divertiam a tripulação, que os tinha como grandes guerreiros, amigos e companheiros valorosos.

Terminada a aventura dos Argonautas, os gêmeos voltaram à sua terra onde seriam conhecidos por defenderem os fracos e os jovens. 
Numa região próxima conheceram e se apaixonaram pelas irmãs Febe e Ilaira. Mas elas eram noivas e eles resolveram raptá-las.

Dias depois, os noivos enraivecidos e em perseguição aos gêmeos, os alcança num campo de guerra. 
Desafiados pelos noivos, inicia-se uma batalha que duraria dias. 
Castor, humano e mortal, era mais firme e ligado à terra. 
Pólux, um deus e imortal, era mais ligado aos céus e à mente.

Por um momento, Pólux se distrai, o suficiente para seu irmão ser traspassado por uma lança que o atinge. 
Neste instante, ouvindo o grito de dor de seu irmão, e cheio de ira, ele mata todos ao seu redor e vai em direção de seu irmão que morria. 
Zeus, reconhecendo o grito de um de seus filhos favoritos corre em direção ao campo de luta e vê uma cena dantesca, seus filhos mais adorados em desespero.

Pólux implora que Zeus interceda neste instante, impedindo Castor de morrer ou que também lhe tirasse a vida, pois não poderia viver sem ele mesmo. Porém Zeus não podia interferir nas questões de vida e morte; também não poderia passar a imortabilidade para Castor pois assim Polux morreria.

Sem saber o que fazer, Zeus atende ao pedido, e assim que Castor recebe a luz da imortalidade, Pólux começa a morrer. 
Castor pede a Zeus, que não deixe seu irmão morrer e Zeus atende ao pedido, porém eles trocariam vida e morte diuturnamente. 
Enquanto um estava na terra outro estaria no céu, e se encontrariam quando trocassem de posição. 
Inconformados por não estarem sempre juntos, Castor e Pólux foram transformados na constelação de gêmeos, onde estariam juntos para sempre.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Shakespeare:Romeu e Julieta-Trecho; A "Cena do Balcão", Ato II, Cena II

Yuki Furukawa (古川雄輝)

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História